*Informamos que as boas práticas são publicadas no idioma original de origem da escola e as traduções para outros idiomas são feitas por um tradutor automático.

0

Categoria:Desenvolvimento de competências profissionais e sociais Integração profissional e social
Tags:Qualificação Formação prática Ajuda ao estudo Competências básicas Competências sócio-pessoais Competências técnico-profissionais Empregabilidade

En la E2O de la Asociación Arrabal AID trabajamos con jóvenes en situación de vulnerabilidad.

En Enero de 2020 hemos comenzado a impartir formaciones básicas de inglés enfocadas al mercado laboral (sector hostelería, comercio, etc…), teniendo como objetivo fundamental que nuestro alumnado adquiera competencias en idiomas, lo que le facilitará en un futuro la búsqueda de empleo. Son clases eminentemente prácticas, dinámicas, motivadoras y con contenido digital, basadas también en competencias técnicas de los sectores anteriormente mencionados.

Estas acciones formativas están dirigidas al alumnado que está cursando la ESA y supone un refuerzo a sus estudios de cara a la convocatoria de los exámenes de los próximos meses.

Actualmente, contamos con 15 alumnos/as que participan en estas clases de refuerzo de idiomas, que se realizan una vez a la semana con una duración de 2 horas.

Ante esta realidad, desde la E2O de la Asociación Arrabal se han incorporado los siguientes contenidos:

  • Competencias comunicativas: interacción en una conversación entre dos o más persona en inglés.
  • Competencias gramaticales: enfoque hacia el sector empresarial/atención al cliente.
  • Competencias sociales: habilidades sociales clave para la búsqueda de empleo.

Potenciar estas formaciones es un reclamo que hemos detectado en la entidad social. El aprendizaje de idiomas puede ser un recurso no solo pedagógico sino también de la vida laboral y social, un gran porcentaje de empresas piden a la hora de contratar personal con conocimientos de idiomas.

Compartilhar:
Coletivo:
  • Jovens

Deixar um comentário

Um dos elementos que nos surpreendeu ao realizar esta metodologia é o desconhecimento por parte da população jovem do uso do PC e outras tecnologias. Frequentemente, assume-se que a população jovem, denominada nativos digitais, possui um alto nível de conhecimento ou capacidade de adquirir habilidades digitais. A experiência nos mostrou que o uso de smartphones é muito alto, mas não de programas básicos como o Office, cujo manuseio é muito limitado. Essa carência reforçou a necessidade de incluir esses conteúdos nos treinamentos para aumentar suas chances de encontrar um emprego. Um dos elementos que nos surpreendeu ao realizar esta metodologia é o desconhecimento por parte da população jovem do uso do PC e outras tecnologias. Frequentemente, assume-se que a população jovem, denominada nativos digitais, possui um alto nível de conhecimento ou capacidade de adquirir habilidades digitais. A experiência nos mostrou que o uso de smartphones é muito alto, mas não de programas básicos como o Office, cujo manuseio é muito limitado. Essa carência reforçou a necessidade de incluir esses conteúdos nos treinamentos para aumentar suas chances de encontrar um emprego. Um dos elementos que nos surpreendeu ao realizar esta metodologia é o desconhecimento por parte da população jovem do uso do PC e outras tecnologias. Frequentemente, assume-se que a população jovem, denominada nativos digitais, possui um alto nível de conhecimento ou capacidade de adquirir habilidades digitais. A experiência nos mostrou que o uso de smartphones é muito alto, mas não de programas básicos como o Office, cujo manuseio é muito limitado. Essa carência reforçou a necessidade de incluir esses conteúdos nos treinamentos para aumentar suas chances de encontrar um emprego.